sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Luxo popular brasileiro

A nova classe média brasileira tem suas próprias as pirações e referências

Por Luiz Alberto Marinho - Revista Gol - no. 102 - set. 2010


Há cerca de 30 anos, o genial Joãosinho Trinta defendeu-se das acusações de exagerar nos espetaculares desfiles da sua Beija-Flore de Nilópolis com uma frase memorável: "Povo gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual". A ideia refletia uma verdade da época, quando tudo levava a crer que o tal luxo cobiçado pelos pobres era uma fiel reprodução da vida dos mais rcios.

Os tempos mudaram. Hoje, o significado do luxo para a nossa emergente nova classe média não é necessariamente igual ao luxo da elite. Pesquisa recém-concluída pela consultoria A Ponte, do publicitário André Torreta, sugere que começa a surgir o conceito de "luxo popular brasileiro". Quer um exemplo? Para as classes mais altas, luxo é uma maneira de ser ou de sentir-se diferente dos outros. Para a classe C, ao contrário, é uma forma de inclusão, de ter o que os outros já têm. Outra diferença é que para os jovens da nova classe média luxo está essencialmente ligado a marcas e produtos e não a experiências, como viagens, orgias gastronômicas ou aventuras esportivas.

A pesquisa d'A Ponte mostrou que para a classe C existem três tipos de luxo - o inatingível, o da autoestima e o do pertencimento. O luxo inatingível, representado por carros caríssimos, bolsas e sapatos de "muitos mil reais", como dizem os entrevistados, não só não faz parte da vida dessa garotada emergente como também não habita seus sonhos de consumo. Importante mesmo é o luxo da autoestima, que passa pela compra de produtos ligados a moda ou beleza e faz com que essas pessoas se sintam bem com elas mesmas.

Isso inclui deste tênis até unhas coloridas, apliques para o cabelo e acessórios. Nesse caso, para se sentir bem, vale até mesmo recorrer a "réplicas", que é um nome chique para falar de produtos piratas. Finalmente, o luxo do pertencimento é traduzido por marcas e produtos que ajudam a nova classe média brasileira a ser mais bem-aceita nos lugares que frequenta, seja o trabalho ou a própria comunidade onde mora. ou seja, para fazer parte da turma e sair bonito na foto, as regras são cuidar da aparência e usar, afinal, aquilo que todo mundo usa.

Um dos grandes méritos desse trabalho é questionar, mesmo que indiretamente. a noção de que os mais pobres aspiram ser como os mais ricos. O argumento "aspiracional" tem sido usado largamente nos últimos anos para justificar muitas campanhas equivocadas. Agora começa a ficar claro que a nova classe média - que é a maior parte da população brasileira, diga-se de passagem - tem suas próprias aspirações e referências. É bom respeitar isso.

Prezadas e Prezados, comentem o artigo e digam com essa nova visão pode afetar o mercado publicitário.

28 comentários:

  1. Com relação ao artigo mostra que o Brasil está em constante desenvolvimento e ascensão e está no caminho certo para deixar de ser um país Subdesenvolvido, (o que seria bom para toda a população brasileira).
    Já com relação ao crescimento da Classe C será excelente para o mercado publicitário, pois com isso aumentará o consumo e com isso as marcas/empresas terão maior necessidade de anunciar cada vez mais e mais.
    Mas tomando a idéia com um âmbito geral, essa ascensão exorbitante da Classe C pode acarretar problemas para o país como mostra o link do vídeo abaixo.


    Link:
    http://globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,MUL1597555-17665,00-ASCENSAO+DA+CLASSE+MEDIA+AMENIZA+ESTRAGOS+DA+CRISE+ECONOMICA+NO+BRASIL.html



    Alberto Hodge
    7° Período Publicidade e Propaganda - Noite

    ResponderExcluir
  2. O artigo em referência, mostra como o brasileiro está se desenvolvendo. A população está procurando produtos de qualidade, que a atenda da melhor forma possível. Este desenvolvimento, agrega grande valor ao mercado publicitário, pois com a diversidade de produtos existentes para esse novo mercado de consumidores, devemos saber a melhor forma de se fazer uma propaganda, de anunciar, para que assim, possamos atingir nosso público alvo e principalmente, o novo mercado que está surgindo diante de nós. O consumo está aumentando cada vez mais, as pessoas estão comprando sempre mais. O novo público alvo do mercado publicitário hoje é a classe média, é um meio que está crescendo e que busca cada vez mais novas aspirações, visa comprar mais produtos de qualidade. Para que eles possam se sentir bem, eles precisam comprar, assim podem satisfazer seu ego e se sentir bem.

    TAMIRYS GABRIELA GOMES MOURA - 6 PERÍODO - NOITE - PP

    ResponderExcluir
  3. O artigo "Luxo Popular Brasileiro" mostra que os brasileiros estão em constante desenvolvimento. A população procura hoje, produtos de qualidade, produtos que atenda a real necessidade. Com essa evolução e crescimento da classe C, será uma grande vantagem para o mercado publicitario, pois com o aumento e as diversidades dos produtos lançados para esse novo mercado de consumidores, o consumo está crescendo cada vez mais. Com isso, conseguiremos atingir o nosso objetivo publicitario, com anúncios especificos para o nosso público alvo, com essa nova tendência, podemos visar consumidores cada vez mais atraidos por esses tipos de consumo, produtos diferenciados e de qualidade. O mercado publicitario só tem a crescer com esse novo mercado.

    Paola Nascimento
    7° Período Publicidade e Propaganda - Noite

    ResponderExcluir
  4. André Matos - 7º período - Publicidade e Propaganda8 de novembro de 2010 03:50

    A adequação da comunicação junto a nova visão incidida pela população emergente da classe “C” deverá buscar atingir o campo da satisfação completa do indivíduo, como o artigo registrou, a população emergente tem conceitos próprios e bem diferentes das demais classes, e esse conceito deve ser trabalhado de maneira a concretizar a sensação de poder de aquisição dos produtos cobiçados e tão procurados. Fazer uma marca crescer em conceito transformando-a em uma marca desejada com custo favorável se faz hoje uma maneira de ganho de mercado. A ação do diga não ao produto paralelo deve ser bem explorada de maneira a fazer com que o consumidor sinta que deve e pode sim adquirir um produto original.
    O conceito de custo benefício é cada dia mais forte em nosso meio, com isso trabalhando de maneira coerente a comunicação, o valor da mercadoria – que é diretamente proporcional ao valor de luxo – o resultado será a cada dia mais surpreendente.

    ResponderExcluir
  5. O consumidor está se sentindo cada dia mais digno de ter um produto caro, e que antes não era acessível a ele. A publicidade influencia de certa forma este público, mas o que mais os faz querer ser diferente e usar produtos caros e luxuosos, no meu ponto de vista é a mídia, novelas e programas de entretenimento, que tratam o luxo como prioridade, e a beleza como necessidade. Neste caso, as pessoas que não têm aqueles produtos, ou aquele padrão de beleza, se sentem impotentes, e para curar esta necessidade, eles adquirem estes produtos. A publicidade deve neste caso, abrangir mais a sua área de atuação, uma vez que antes vendia apenas para revistas, ou programas que atingiam a classe mais nobre, agora devem ampliar mais, pois existe consumidor com intenção de compra em classes mais baixas, e como o intuito é vender, deve então publicar para todos.
    Talita Palhares
    pp noite

    ResponderExcluir
  6. Essa (r)evolução da classe média, já era esperada. Não acaba por ae, ela tem um grande potencial de crescer cada dia mais.

    Acho que a publicidade que serve para a classe alta, cabe a classe média. Por que querendo ou não é a classe média e baixa que faz o capital girar no Brasil nos dias de hoje.
    Muitos pensam diferente, mas eu acredito nisso.

    Ana Paula de Paiva

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante perceber que esta [nova] classe média tem suas próprias referências e desejos. Isto significa que eles [pensam] por si só, não precisam de orientaçãoes, seguem seus próprios gostos.
    Um ponto crucial do texto fala do respeito. Respeitar, entender, compreender esta classe, é fundamental para o sucesso de qualquer comunicação. Se conscientizar que eles têm seus próprios desejos e gostos, acima de qualquer padrão já pré estabelecido anteriormente.

    ResponderExcluir
  8. Alex Aurélio Porto8 de novembro de 2010 08:51

    Por meio da leitura do texto é facil perceber que enquanto a classe média emergente busca se identificar com a classe A, até mesmo no que é inatingível para ela, como a compra de réplicas de bolsas e artigos de luxo, a Classe A define luxo como uma maneira de ser ou de sentir-se diferente dos outros. Resumindo, enquanto uma busca ser igual, a outra quer ser diferente.

    ResponderExcluir
  9. A nova classe media, tambem quer ser reconhecida pelo seu valor e pelo sua contribuiçao no crescimento do pais. hoje o mercado que se preze seja ele qual for, no setor textil, ou automotivo, tem que ter um nicho que atenda as necessidades dessa classe, por ser maioria e por estar em excensão. A classe media muito mais que ter bolsa de luxo ou sapatos buscam por dignidade, respeito e reconhecimento. isso mostra que o pais esta crecendo para todos os lados da sociedade dando aos mais pobres condicoes de buscar um lugar ao sol, mas com sobrinha e agua de coco.

    Fabiano sena
    Publicidade Propaganda Noite
    Professor Claudio

    ResponderExcluir
  10. Alex Aurélio Porto9 de novembro de 2010 04:46

    Por meio da leitura do texto é facil perceber que enquanto a classe média emergente busca se identificar com a classe A, até mesmo no que é inatingível para ela, como a compra de réplicas de bolsas e artigos de luxo, a Classe A define luxo como uma maneira de ser ou de sentir-se diferente dos outros. Resumindo, enquanto uma busca ser igual, a outra quer ser diferente. O importante é saber reconhecer e atender as necessidades, daí vê-se a importância da realização de pesquisas que indiquem o caminho a ser seguido conforme as necessidades e desejos do consumidor.

    ResponderExcluir
  11. Com o presente artigo podemos verificar que as diferenças sociais estão em constantes mudanças, no que se refere o salto da classe C para classe média, podemos perceber que essa nova tendência esta trazendo mudanças significativas para a sociedade, onde o poder de compra das classes de menor renda esta evoluindo constantemente, a inclusão em programas sociais, a disponibilidade de créditos, o acesso a informação e a carteira assinada também fazem parte dessa nova realidade.
    Mas é sempre bom lembrarmos que essa nova classe, de acordo com o texto tem seus deveres como independente de qualquer classe tem, possui seus próprios desejos e preferências. Talvez esse seja o fator de sucesso para o mercado públicitário, pois esta nova população busca tambem, por produtos/serviços que irão lhes satisfazer, sendo assim as empresas irão buscar uma nova forma de atingir esse target, atraves de uma nova publicidade.

    Hendy de Matos - 7º PP / Noite

    ResponderExcluir
  12. O mercado publicitário sempre esteve envolvido com marcas, luxo e riqueza. Muitas marcas gostam de representar um mundo completamente perfeito quando se tem o produto x nas mãos. Acho que a própria publicidade é quem influencia os consumidores a buscarem os altos padrões de luxo. E o que não é acessível para a classe média, se não tiver um "genérico" que caiba no bolso, passa a ser um sonho que hoje pode ser possível de se realizar. Mesmo com gostos diferente da classe A, está cada vez mais fácil ter acesso aos produtos em geral que antigamente a classe C e D não tinham. O luxo da auto-estima funciona como remédio para as frustrações existentes dentro de cada um,independente da classe social. O que a propaganda cria é um vazio, para que a pessoa pense que ao consumir algo irá se realizar.
    Essa nova visão pode afetar o mercado publicitário apenas no sentido de expandir o número de pessoas de um público alvo. Para o mercado e para a economia do país é maravilhoso. E ainda aproxima mais as pessoas pertencentes a classes diferentes, por estarem e poderem consumir as mesmas coisas.

    Lívia de Castro Bosco

    ResponderExcluir
  13. Podemos percerber o quanto a qualidade de classes mudou muito. Hoje o Brasil tem crescido muito e as pessoas tem "subido " de classe o mais rapido possivel, com isso nós publicitarios temos que prestar bem a atenção pois o perfil que clientes e consumidores tem mudado bastante, temos que ser mais criteriosos e cautelosos quanto ao nosso publico alvo ,a final e publico sempre esta em mudanças e pelo jeito sempre isso aimentará cad vez mais.
    Keylla Paiva
    7 pp

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. A Classe Média hoje se tornou a maior consumidora dos produtos que são oferececidos pelo mercado. E o que antes ela almejava em "copiar" da classe alta, hoje ela criou o seu próprio "estilo" de produto. Com esse "novo" público de consumo, a publicidade acabou por se reinventar, buscando novas formas de se interagir e ganhar a atenção desta grande parcela da população. É este público que hoje possui a maior parte da atenção da publicidade para oferecer produtos, créditos, empréstimos, entre outras regalias que facilitam estas pessoas a adquirirem cada vez mais bens. E esta parte da população acaba ajudando o crescimento do país, pois possibilita uma maior circulação de dinheiro. O que é bom para todos.


    Camilla Vidal - 6 Período Noite

    ResponderExcluir
  16. É extremamente necessário conhecer essa nova visão de classes a partir da visão dos próprios consumidores. A interpretação de forma equivocada pode e geralmente traz planos de comunicação ineficientes e conseqüentemente um produto destinado e definido de forma errada. É importante perceber que a forma com que esse consumidor se ver hoje e quer se tornar daqui a determinado tempo influi nas decisões de compra e como tal produto está sendo vendido para ele. Espero que pesquisas como essas sejam feitas com mais freqüência e principalmente levadas a sério, dessa maneira fica cada vez mais fácil e eficaz essa comunicaçao.

    Bárbara Faria
    6º PP Noite

    ResponderExcluir
  17. O fato é que enquanto a classe mais alta que ser diferente, a classe C ascendente quer ser igual. Essa é uma premissa básica que estava perdida entre "achismos" e suposições típicas do mercado publicitário quando se trata - principalmente - das classes mais baixas da população.

    Os tempos mudam, os consumidores mudam... assim como suas vontades, anseios e metas. O que parece não mudar é justamente o publicitário que na maioria das vezes pega o bonde andando, ou quando o bonde já passou. E perde a oportunidade de fazer uma comunicação mais barata, mais eficiente, e mais lucrativa para seu cliente.

    ResponderExcluir
  18. Hoje a classe média é com certeza maioria no Brasil. Criaram-se mais empregos com bons salários, que permitem à população comprar bens que antes não tinham acesso. A recente disponibilidade de crédito para a população, facilitado pela queda nas taxas de juros, ajudou a aumentar o poder de compra desta nova classe média. Classe esta que é particularmente preocupada com o consumo e que, apesar de não procurar as lojas caras voltadas para um mercado mais rico, ela também não quer comprar em lojas que pareçam “baratas”.

    Renata Lopes - 6ºPP noite

    ResponderExcluir
  19. Bernardo Leão 7PP

    É simplesmente triste ver como as pessoas tem se apegado a coisas sem importancia, pais e mães esqueceram seus filhos para correrem literalmente atraz do vento, mais isso impacta e muito o mercado que cada dia está mais consumista desenfreado, em pouco tempo seremos como os consumistas dos Estados Unidos viveremos para consumir mais e mais. Me excluo deste grupo, mais já entendo o que veremos com pesar....

    ResponderExcluir
  20. RAFAEL PAZ 6P - PP NOITE16 de novembro de 2010 19:22

    Essa reportagem é bem parecida com o trabalho que você deu no início do semestre. A nova onda da classe média brasileira mudou e está de cara nova. Precisamos nos atualizar pois essa novo perfil que se encontra muito fácil na sociedade agora e está mais próximo de outras classes sociais também. Podemos perceber em lugares que aceitam várias tipos de pagamentos, formas de recebimento mais acessíveis e flexíveis que permite que grande parte da população dessa nova classe média, esteja bem incluida na socieda por comprar produtos e ou adquirir serviços que eram apenas feito por uma classe mais elevada.
    Assim, é possível perceber a grande movimentação em shoppings, restaurantes, salões e entre outros,a participação dessa classe média e como é visível essa evolução.
    Estamos em uma nova era, de produtos, serviços, tecnologia e claro, a companhia dessa classe junto com o tempo e suas modificações.

    ResponderExcluir
  21. ANA CLÁUDIA LOPES 6º PP NOITE

    Atualmente com o desenvolvimento do país e a facilidade de crédito, pessoas de classe média tem mais acesso a produtos que antigamente não tinham. Esse fato faz com que tais pessoas consumam mais e muitas vezes adquiram produtos com o intuito de se integrar/interagir na sociedade. O fato é que da mesma forma que a classe alta, a classe média tem necessidade, desejos e anseios para o consumo e como o mercado de produtos está mais acessível para todos, o consumo daqueles de baixa renda so tende a aumentar.

    ResponderExcluir
  22. A necessidade de inclusão social por parte dos menos favorecidos sempre existiu, o que mudou foi a capacidade de consumo dos mesmos. Esse crescimento do consumo da classe C é muito favoravel ao país, ao desenvolvimento e é claro à publicidade. Mas o mercado publicitário não ganha somente pelo fato de mais pessoas estarem comprando mais coisas, e sim pela definição de produtos específicos comprados por essa massa. Desta forma a publicidade pode ser cada vez mais efetiva, atingindo as pessoas certas, com a mensagem certa, dos produtos certos. É uma boa hora também para trabalhar posicionamento de marca das empresas, sendo forte para uma certa classe, para outra, ou com produtos segmentados.

    ResponderExcluir
  23. A força do capitalismo reflete neste consumismo exagerado em torno da busca pela auto-estima.É "querer ter" pra "poder ser". Apesar de tamanha futilidade é importante perceber o quanto a classe média hoje não se limita tanto financeiramente na hora da compra,hoje a maioria dos produtos de luxo é possível de se adquiridos pela classe média.Tirando produtos de "luxo inatingíveis" que apesar de ser inatingível, são alvo dos comerciante de réplica e que movimenta de forma significativa a economia brasileira.
    Isabella Pereira Amorim PP noite/6o Período.

    ResponderExcluir
  24. É interessante notar como o luxo é visto diferentemente pelas classes sociais: enquanto as classes altas associam o luxo às experiências, a classe média associa à como é vista pelos outros, associando ao que tem materialmente e não experimentalmente como as classes mais altas. Isso interfere diretamente no mercado publicitário tendo em vista que a maior parte da população brasileira localiza-se nessa classe. Assim a publicidade deve se adequar à esse novo perfil comportamental para fazer casar o desejo de vendas das empresas e o desejo dos consumidores.

    Anderson Soares Mendes - 7º PP Noite

    ResponderExcluir
  25. A visão de luxo e produtos de luxo é bem diferente de acordo com as classes econômicas. Percebemos que as classes mais elevadas assimilam o luxo às experiências e vivências próprias e de seu ciclo de relações. Enquanto isso temos a classe média-baixa que tentar suprir essa necessidade do luxo com produtos e serviços "alternativos" para os produtos e serviços luxuosos e caríssimos.
    Dessa forma, a classe média-baixa brasileira tem recebido uma atenção especial do mercado, afinal com a facilidade de crédito, está tem sido a classe que mais consome.

    Lorena Moreira - 6º período noite

    ResponderExcluir
  26. A classe média já é maioria no Brasil. E junto com a evolução que o mundo tem passado, a necessidade dessa classe vem aumentando também. Eles almejam mais, sonham mais, querem aumentar autoestima, comprar o que não conseguiam, serem bem vistos, poder pertencer aquilo que a sociedade vem impondo. E hoje está mais fácil, como podemos ver, a conquista tem sido grande e é a hora do mercado publicitário agir e aproveitar esse crescimento.

    Marcela Gonçalves - 6º PP Noite

    ResponderExcluir
  27. É tão bom ver as pessoas que não tinham condições de gozarem de produtos, lugares e viagens que tanto desejavam e hoje podem adquirir os mesmos. Isso graças à economia do país que está em ascensão. Hoje o mercado publicitário visa atingir esse target que não para de crescer, sendo assim, todo mundo sai ganhado, o consumidor com facilidade de crédito e as empresas que obtém o retorno esperado. Só não gosto de referir as pessoas com base em classes sociais, isso reforça ainda mais a desigualdade social.

    Luana Aquino 6ºPP/ Noite.

    ResponderExcluir
  28. A classe média é maioria no Brasil e a cada dia tem o poder de decisão de compra maior, ou seja, a cara da classe média mudou e ainda pode mudar mais. É comum o consumo de produtos e serviços considerados anteriormente luxuosos como: roupas de grife, viagens, estética etc. Além da oferta desses produtos e serviços serem grandes, a mídia (televisão e internet) ocupa um lugar crucial do consumo: o incentivo a compra destes artigos. Além da mídia há outra lacuna que contribui e muito para este consumo da classe média: a sociedade. Os grupos sociais ditam as regras do que, quando e como comprar, usar, dispensar. Por isso se descarta mais e se compra mais. A necessidade da classe média está inversamente ligada ao consumo: cada vez se compra mais o que nem tanto é necessário de forma imediata.

    Lidiane A. Gomes - 6 PP - Noite

    ResponderExcluir