quinta-feira, 29 de abril de 2010

Classe C emergente e bem equipada

A popularização da tecnologia está criando novos hábitos e perspectivas. A seguir, cinco perfis da população conectada

Por Francine Lima - Revista Época - Ed. 586 - 08/08/2009

De uns anos para cá, milhões de brasileiros que antes pertenciam às camadas mais pobres da população subiram de vida e começaram a fazer uma revolução no consumo. Com a queda dos preços e as formas de pagamento mais acessíveis, equiparam seu cotidiano com computador, internet banda larga, micro-ondas, telefone celular com câmera, bluetooth e MP3. Segundo o Instituto Data Popular, eles já respondem por 62% dos domicílios conectados à rede e 53% dos clientes de sites de compras. Com isso, aproximaram-se do comportamento das classes A e B. Em alguns aspectos, foram além. A melhor surpresa dessa ascensão das famílias de baixa renda foi que suas dificuldades iniciais diante da tecnologia se transformaram numa vantagem. Ao procurar entender como a tecnologia funciona, driblar o “informatiquês” e o inglês dos programas de computador e encontrar as formas mais baratas de usar os recursos em seu favor, a classe C aprendeu a buscar soluções mais adequadas para seus problemas. E melhorou de vida.

Tudo isso foi observado por agências de pesquisa e publicidade interessadas em estudar o novo comportamento dos emergentes. A agência CO.R Inovação, de São Paulo, passou meses abordando pessoas na rua e visitando famílias em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Recife, em Curitiba e em Porto Alegre. Depois de cerca de 500 entrevistas, concluiu que uma das consequências mais importantes do acesso da classe C à tecnologia foi a valorização do ensino pelas mulheres. A pesquisa mostrou que o primeiro computador numa casa de periferia normalmente é comprado para os adolescentes fazerem as tarefas escolares. Com o tempo, se transforma no computador da família. Segundo Mari Zampol, diretora da CO.R Inovação, as mulheres que foram mães muito jovens e interromperam os estudos agora estão se sentindo livres para voltar à escola, aproveitando inclusive a conveniência barata dos cursos a distância pela internet. “Quando descobriram que podiam estudar sem sair de casa, foram atrás de diplomas de níveis técnico e superior, cursos de idiomas e outras oportunidades de crescimento profissional”, diz Mari. Os jovens também são grandes protagonistas dessa inclusão digital. Mesmo sem saber inglês e com menos estudo, estão usando melhor os recursos do telefone celular que os jovens das classes A e B. “Esse pessoal se vira muito melhor em situações de crise”, diz Renato Meirelles, publicitário e fundador do Data Popular. A seguir, cinco novos perfis populares criados pela tecnologia.


A bem informada
Com acesso garantido a uma conexão de banda larga com a internet, todo tipo de informação chega mais fácil e rapidamente. A classe C também usa essa facilidade para defender seus direitos e planejar os deslocamentos pela cidade. É o caso da empregada doméstica Marcia Almeida. Na cozinha da patroa, Marcia ouve músicas e busca receitas novas na internet usando seu netbook, um pequeno computador portátil que ganhou da dona da casa e é conectado à internet por rede sem fio. Durante o dia, elas se falam pelo Skype. À noite, Marcia se fecha em seu quarto para assistir aos seminários da igreja evangélica transmitidos ao vivo pela internet ou para ir às compras. Para ela, a pesquisa pela internet é uma economia de tempo. Sem precisar tomar ônibus nem faltar ao trabalho, já consultou pacotes de viagens e agendou um atendimento para seu pai num posto da Previdência Social. Recentemente, comprou um perfume numa loja eletrônica usando o cartão de crédito. “Achei o preço melhor e ainda recebi em casa.”

Prezados, comentem essa reportagem e tentem entender o que isso tem a ver com sua profissão.

45 comentários:

  1. De uma forma ou de outra a tecnologia para as classes c representam economia! Eu digo isso pelo fato de que com um computador e internet em casa é possivel se fazer uma faculdade em casa, é possivel aprender ingles, é possivel ler noticias, é possivel comprar produtos, fazer seu proprio livro de receitas sem ter que gastar comprando livros, conversam pelo skype sem gastar com telefone, ou seja, tudo fica mais perto, e assim se gasta menos.

    Nada melhor do que poder gastar menos e ter a mesma informação de quem tem condição de ir a uma faculdade, ligar do telefone fixo, comprar revistas e jornais, etc.

    Com a tecnologia é possivel ter um pouco de igualdade social.

    ResponderExcluir
  2. Antigamente ter um computador era difícil e só alguns tinham acesso, hoje, devido a grande quantidade de prestações e a facilidade na compra, este acesso ficou muito mais facilitado. Isso não acontece somente com o computador, mas todos os produtos.

    Estamos completamente focados no meio digital, uma nova era, com recursos que nos facilitam em quase todas as atividades do nosso cotidiano. A Internet se tornou uma ferramenta altamente ampla e precisa, sendo também, necessária para a maioria de nós.

    Somos publicitários e precisamos estudar, observar, entender e atender as necessidades do cliente, por isso, devemos ficar mais antenados no crescimento do meio virtual, pois ele, de uma certa maneira consegue unir todas as classes, oferecendo produtos que antes eram de difícil acesso e agora basta dar alguns "cliques" para que ele chegue até nossa residência.

    O foco agora é outro, é virtual, são blogs, sites de relacionamento, sites de compras, dentre diversos outros que tem como funcionalidade interagir com o cliente e vender seus produtos, oferecendo total facilidade na compra e a entrega garantida na residência.

    "Agora, "tá tudo azul", eu posso comprar minha tv LCD 42' sentado no computador do meu quarto e ainda dividí-lo em 8x sem juros, além de facilidade na compra, comodidade de receber o produto, ainda terei status por ter essa linda TV em minha casa."
    A tendência hoje em dia é esta, muitas pessoas compram por este motivo.

    A Classe C está se aproximando da A e B, na mesma rapidez que o consumidor de seu público final.

    Rodrigo Machado
    7º período de Publicidade e Propaganda - Manhã

    ResponderExcluir
  3. Independente das classa sociais, a maioria da população se beneficiou com o advento de novas tecnologias. Quando se há uma novidade, ainda mais se tratando de tecnologia, muitas pessoas ficam curiosas pra saber o que é, como usa e qual importância de tal ferramenta. O que é essas novas mídias fizeram, foi facilitar mais a vida do consumidor, pois, podemos ter uma conta virtual, comprar coisas por internet, ler notícias, ver vídeos e tudo quanto é tipo de informação que se pode trabalhar neste universo. A questão social neste aspecto é bem interessante, porque todas as classes podem ter acesso à informações, que antes não tinha. Portanto ninguém quer ser um peixe fora d 'agua num mercado cada vez mais competitivo e promissor.

    Celso Rodrigo 7º período Publicidade turno: manhã

    ResponderExcluir
  4. É um grande prazer ver como nosso país está se desenvolvendo, pois esse crescimento do poder de compra das classes mais "baixas" é devido a estabilidade de nossa economia e a menos taxa de juros do mercado atual. Esta estabilidade nos possibilitou inclusive não sermos muito atingidos pela crise mundial. Cabe a nós publicitários agora estarmos sempre antenados a essas novas tendências, mídias e futuras oportunidades de negócio. O acesso de todos a informação torna nosso consumidor mais seletivo e exigente, mas ao mesmo tempo temos também maior acesso a ele. A empregada doméstica por exemplo, durante o dia provavelmente ficava somente trabalhando e não tinha acesso a televisão, rádio e outros veículos de publicidade, mas agora conectada durante todo o dia ela pode receber várias informações e publicidade o tempo inteiro, via e-mail, sites entre outros.

    Camila Andrade de Melo Viana 7 PP - Noite

    ResponderExcluir
  5. Acredito que essa mudança de consumo de pessoas que se encaixavam na classe C, se desenvolveu pelo fato da vontade de tornarem pertencentes ao mundo, de forma que hoje, a tecnologia avança cada dia mais e as novidades aparecem toda semana. Tornando visível a todos. Na verdade, acho que isso já deveria ter sido previsto, já que as empresas facilitam a interação do consumidor em geral, independente das classes sociais. Acredito ainda, que não ficou só difícil direcionar os produtos a determinadas classes e como saber para quem fazer a publicidade desses produtos, como determinar as classes sociais focando na divisão por consumo. Já que hoje a renda ou classe social baseada por condição financeira não limita o consumo da população.

    Hany Cintra 7° p, PP noite

    ResponderExcluir
  6. A crescimento do consumo dessas classes se da muito a facilidade de encontrada hoje de compra.A maioria das lojas hoje vende seus produtos podendo ser pago em varias vezes,o que possibilita que as classe mais baixas comprem produtos, que tempos atrás parecia impossivel.O consumo de alguns produtos também se dá a cada dia mais os consumidores das classes mais baixas quererem consumirem produtos das classes mais altas.Com isso cabe tb as agencias observarem quais as melhores formas de atingir esses consumidores e provocarem cada vez mais a vontades desses em comprar.

    Sérgio Augusto- 7ºP.P manhã

    ResponderExcluir
  7. Para nós estudantes de comunicação é muito importante estar sempre antenados nessas pesquisas assiduamente. Nesse caso, por exemplo, de que a mulher quem está sendo o instrumento de desenvolvimento nas classes C é uma informação de extrema importância para nosso conhecimento e nossos projetos publicitários. Realmente o fato de se tornarem mães cedo e terem que abandonar os estudos não as impediriam de buscar outros meios de não ficarem estacionadas e morrerem daquele jeitinho, com toda essa facilidade de acesso que a tecnologia nos trás hoje. A empregada doméstica exemplificada no texto que busca novas receitas, que faz compras, que adianta sua vida sem sair de casa, lhe poupando tempo e gastos como o de pegar ônibus, nos faz pensar que hoje o computador e a internet são ferramentas básicas de sobrevivência com esse bombardeio de informações que recebemos diariamente. Para nós publicitários investir nesta ferramenta de divulgação e de atuação no mercado é crucial, sem pensar duas vezes!

    Aluna: Thalita Maciel Oliveira
    Turno: Manhã
    7º Período
    RA: 1014828

    ResponderExcluir
  8. Acredito, que os computadores revolucionaram a vida de toda a sociedade.Hoje a inclusao por meios de redes sociais é cada vez mais crescente e importante para uma ascessão na vida profissional.Mas como ja sabemos do imprecionante crecimento da tecnologia, hoje um computador ja nao é uma grande ferramenta para obter bons resultados, sem a internet, o comoputador e seus usuarios precisao da internet para serem completos.Quem possui internet, seja ela uma "banda larga",tem mais inclusao e tem inumeras possibilidades de fazerem compras, estudarem, e se relacionar com um mundo de total aquisiçao financeira com a ajuda das novas midias.
    Walisson Ap.
    7°pp noite

    ResponderExcluir
  9. Com a queda dos preços, melhores formas de pagamento, financiamento e etc, ocorreu uma certa revoluçao consumista.
    Classes emergentes se tornaram grandes consumidores, se incluiram digitalmente, aumentaram os níveis de escolaridade e revolucionaram a sociedade.
    Atualmente, não apenas o computador é essêncial, mas a banda larga também, para facilitar a vida dos consumidores, trazendo mais comodidade e conforto.
    As classes baixas tem acesso facilitado para buscar o produto, pesquisar preços, e comprar. Os profissionais de publicidade tem o dever de está atento para essas classes emergentes, na qual são consumidores ativos, e não somente nas classes A e B.

    ResponderExcluir
  10. As empresas voltaram seus olhares para a classe C, pois a maioria da população encontra-se nela. Através do crediário, os brasileiros encontraram a forma mais adaptável a sua realidade. São 70 vezes, com juros muito pequenos que ninguém dá crédito a isso. Contudo, as empresas faturam sobre esse pequeno acréscimo nas parecelas.
    Fazendo a comparação com o novo público digital, nossos profissionais devem utilizar de mecanismos para trazer a atenção desse público para seus produtos.
    Contudo, ainda é uma pequena parcela da população com acesso ao mundo digital, no quesito consumidor. Acho que as lojas ainda possuem um certo charme para atrair seus clientes.

    ResponderExcluir
  11. Concordo totalmente com o Rodrigo,
    com as facilidades de compra e novas formas de consumo as classes emergentes emergiram ainda mais. Acharam seu lugarzinho no mundo consumista, o consumir para ser. E isso nos deu uma nova forma de pensar a comunicação, como vender um produto de grande valor agregado, que anteriormente atendia somente uma classe passa a ser objeto de consumo de outras classes. Como comunicar com esses dois ao mensmo tempo, sem perder um ou outro consumidor e sem perder o valor do produto. As havaiana que antes era produto de classe baixa hoje é multi, e seu valor agregado muito maior. E quem sempre usou as velhas sandálias e dedo tem que pagar um pouquinho mais e paga muito feliz. pois, comprando, sente-se participando de um outro universo,um novo status e etc.
    vamos nos equipar pra esse público ansioso para o consumo, mas muito alerta nas possilibidades e variedades tanto de produto quanto de pagamento.

    ResponderExcluir
  12. Equanto publicitários não temos que pensar apenas em quem tem maior poder acsitivo para compra e sim em quem tem maior frequencia de compra.
    A classe C a cada dia demonstra um grande poder de compra, pelas facilidades do pagamento em parcelas, também pela estabilidade e oportunidade de emprego que esta vem tendo.
    o Brasil nunca teve um índice de desemprego tão baixo em sua história, dando oportunidade a mais pessoas de englobarem a maior fatia de classe econômica do país no caso a classe C, que já se adequo a consumir em busca da felicidade, do assunto, do pertencimento.
    Antes as pessoas queriam esta em uma classe econômica melhor, por uma estabilidade financeira. Hoje as pessoas consomem, para que possam se auto afirmar dentor da classe econômica e social que pertencem. levando um consumo que abrange desde informação e conhecimento a bens matériais como os de consumo domestico.

    Aline Vitoriano Meirelles/7°período/PP/Noite

    ResponderExcluir
  13. Em minha opinião a volúpia de consumo da classe C é maior do que a de qualquer outra. Como o cenário econômico favorável e o efeito psicológico de perspectiva de manutenção de empregos é outro fator que impulsiona os gastos desses consumidores.
    Já é constado que a classe C puxou o crescimento dos gastos com alimentos, bebidas, higiene pessoal e produtos de limpeza. Essa parte da população, que tem renda familiar entre 4 e 10 salários mínimos de acordo com os critérios do levantamentos.
    Considerando a freqüência que a classe C está indo mais às compras, a classe está pulverizando as compras ao longo do mês, o que já foi notado pelas grandes redes, que estão ampliando o número de lojas de bairro, e conseqüente mente aumentando o numero de propagandas direcionadas para este publico.
    Um dos motivos de expansão de compra da classe C é o aumento da massa salarial, com isto aumentando a compra de bens duráveis, como eletroeletrônicos e veículos, este publico ficou mais beneficiados com a queda dos juros e a ampliação do número de parcelas para o pagamento, há reflexo também nos não-duráveis.
    Na classe C, por exemplo, as compras de alimentos, bebidas e produtos de higiene e limpeza são financiadas com cartão de crédito, adiando o pagamento por até 40 dias, sem juros.
    Com a aceleração da economia por parte da classe C vem puxado também para o aumento do consumo as classes D e E

    Fenanda Monteiro/7º período PP - Noite

    ResponderExcluir
  14. Aquela aula que tivemos sobre as classes sociais daqui um tempo não valerá de mais nada. Quem disse que o propietário de um computador com internet banda larga, aspirador de pó, microondas e freezer é classe A?

    O que li num comentário aí em cima é a mais pura verdade, as classes estão se misturando. Já não dá mais pra segmentar exatamente a população por classes sociais.

    Hoje em dia, as coisas estão cada dia mas fáceis. Os empresários, donos de loja e os fabricantes estão olhando para o seu público como um todo, criando facilidades de compra para todas as pessoas. É a famosa inclusão digital.

    E a publicidade está aí, prontinha para ganhar muito com todos esses avanços tecnológicos, com essa favorável facilidade de acesso. A cada dia é maior o número de casas "invadidas" por meios de comunicação. Cada vez as pessoas estão se interessando por ter um celular da moda, uma TV maior e mais fina. E as oportunidades de compra tem facilitado a realização desses desejos.

    Contudo, se o acesso à comunicação tem ganhado cada vez mais espaço, é hora dos publicitários aproveitarem esse momento para fazer com que suas campanhas atinjam seus objetivos.


    Raphaella Nereu, 7º PP/noite

    ResponderExcluir
  15. Ana Paula disse:
    Hoje um computador não significa nada se não tivermos acesso a internet, uma ferramenta que facilitou a vida de milhares de pessoas, além de poder fazer compras, se manter informado a tudo que acontece no mundo, podemos até mesmo estudar sem ter que sair de casa. Portanto, nós publicitários temos o dever de estar sempre atento e bem informado no que acontece no meio virtual, significa que temos que atender o mercado consumidor de uma forma rápida e perfeita. Em relação as classes sociais, a classe C esta muito próxima das classes A e B, por demonstrar um grande poder de compra, devido as facilidades na forma de pagamentos, cartão de crédito, etc....Isso é a tecnologia que cada vez mais se evolui, e com as novas tecnologias provenientes da Internet, diversas formas de criar integrações estão surgindo a cada momento. É preciso entendermos estas novas tecnologias para avaliarmos as aderências com relação ao nosso negócio, de forma a verificar se estamos realmente preparados para tais tecnologias.
    Ana Paula Santos Andrade 7º PP/NOITE

    ResponderExcluir
  16. Nós como publicitários devemos avaliar hoje não o poder aquisitivo, mas sim o poder de compra. Hoje ter dinheiro na mão as vezes não significa nada, o que vale é a pessoa ter credito pessoal para poder comprar em inumeras vezes, o importante é ter o poder de compra.
    Assim como já utilizado desses métodos como as empresas de varejo, Ricardo Eletro, Casas Bahia, essas empresas trabalham encima do crédito pessoal e os parcelamentos. Um cara que ganha 1 salário mínimo compra uma tv de 3 salários, pois ele vai dividir esse valor em quantas vezes precisar! o importante pra ele é adiquirir o produto desejado que antes era praticamente inalcansável.
    Por esse motivo devemos fazer um estudo mais aprofundado sobre as classes de consumo, para que através do produto que desejamos vender alcançar com a comunicação certa a classe de consumo desejada. Hoje a classe C é a com maior poder de compra, pois o desejo de obter produtos de última geração e tecnologia é maior do que quem tem o poder aquisitivo. E sabendo que pode adquirir através das várias parcelas, eles não pensam duas vezes em fazer a dívida para suprir suas necessidades que na verdade é mais desejo de ter um determidado produto.
    Temos que identificar quem são essas classes sociais para saber o que e como vender pra elas.

    Renata Perez 7° perído / Noite

    ResponderExcluir
  17. Estamos vivendo uma revolução tecnológica. Hoje a classe C já pode usufruir e reconhecer os frutos e benefícios provenientes da tecnologia. A tendência é que daqui alguns anos, a classe D seja mais uma a ser privilegiada por tal revolução, que permite ao consumidor inúmeras vantagens, mercadológicas, ou não.

    Rodrigo Firmo Emediato
    Manhã

    ResponderExcluir
  18. Hoje em dia segmentação de publico é uma coisa que não podemos confiar 100% pois eu tenho o meu consumidor classe C que compra o um tênnis bacana com todo seu salário e tenho a classe A que divide em varias prestações o mesmo tênnis e assim diversos produtos, cada dia mais o nosso consumidor está ficando mais igualado pois o acesso a tecnologia nos propõe a isso...
    Então a inclusão digital na classe C não deixa de ser uma surpresa para nos comunicadores...
    kélvia Botelho 7º PP Noite

    ResponderExcluir
  19. ARTUR ANDRADE , DISSE...

    A classe C já é a classe econômica mais atuante do mercado, e a que busca e conhece as novidades. Por anos, as classes mais baixas eram impedidas de comprar certos produtos, o que faz com que essa atual conjuntura econômica seja uma explosão de consumo dessa classe. A busca por tecnologia desta classe é bem diferente de outras classes mais altas, mas ai que está a oportunidade. Criar produtos e serviços que essas pessoas não se sintam inferiores as de classe maior, mas superior dentro da sua classe. Uma pessoa pode não comprar um Iphone, mas ela também não precisa comprar um celular mediano. Ela pode comprar um celular que atenda as expectativas da classe pertencente.

    ARTUR ANDRADE

    ResponderExcluir
  20. Para expressar meu apoio as redes sociais, meus próximos posts serão de no máximo 140 caracteres. Goste ou não senhor Cláudio.
    Artur Andrade

    ResponderExcluir
  21. Devido aos avanços tecnológicos, já era de se esperar que a Classe C se aproximasse pelo menos em partes das classes A e B.
    Quem não se lembra do primeiro celular e não ri comparando hoje com o celular atual.
    O que antes parecia surreal e fora de alcance, hoje torna-se possível com algumas prestações.
    Um notebook por exemplo, que a menos de 2 anos era um objeto de status para poucos, atualmente com uma renda mínima se adquire um.
    O bom disso tudo, principalmente para os publicitários de plantão, é este poder de apresentar os produtos e serviços para
    todas as classes. O fato é que, agora se pode esperar um retorno destas que anteriormente eram classificadas como emergentes e que hoje talvez
    consomem mais que as outras.
    Cabe a nós então ficarmos atentos e de olho no que o mercado nos oferece, para apresentarmos as novidades as todas as classes sem preconceitos ou receios.

    Geralda Cristina Lino Carbonaro
    7º PP - Noite

    ResponderExcluir
  22. A abertura do mercado das novas mídias para classes emergentes é muito importante. Abranger a utilização de mídias para atingir as classes mais baixas vai fazer, ou melhor, já fez com que uma nova formulação de estratégias de publicidade começasse a surgir.
    Pra quem pensa que a classe C pode misturar com a classe A e B, agora que o uso de tecnologias está horizontalizado se enganou. Cada vez mais, aparelhos ganham personalização que mostram exatamente como é a personalidade do dono. Atingir a classe C vai ser mais fácil e mais preciso. A partir da análise mínima de interesses pertencentes a essa classe, pode-se dirigir uma publicidade “100% efetiva”, que vai partir da classificação de cada personalização dos aparelhos com relação aos interesses mais comuns da classe. A conectividade vai permitir a coleta desses dados, ainda mais agora que os aparelhos permitem conexões wi-fi. Os pontos de livre conexão estão se multiplcando cada vez mais em áreas que, digamos, são populares e englobam a classe C no meio, como shopping e faculdades.

    Karine Dibai - 7º PP Noite

    ResponderExcluir
  23. Devido à melhoria do PIB brasileiro decorrente nos últimos anos, o seu poder de consumo da classe C se elevou e isso acarreta variadas transformações na economia do país. É uma bola de neve, um acontecimento acarreta outro. Uma conjuntura de estabilidade financeira, aumento do crédito aos menos favorecidos, crescimento nos empregos com carteira assinada e grande quantidade de prestações oferecidas pelas lojas, facilitou o ato da compra.

    A inclusão digital é um assunto que vem sendo muito comentado nos últimos anos, pelos meios de comunicação e muito discutido no cenário político, principalmente pelo Governo Lula. Porém, ainda sim, é grande o número de pessoas que são classificadas como excluídos digital, mas esse número é cada vez menor, segundo o IBGE.

    Essa estatística é bastante animadora, já que caminhamos para uma era totalmente digital. Compras, pagamento de contas, lista telefônica, consulta de receitas culinárias, tudo facilita nossa vida hoje. E nada mais justo do que as classes menos favorecidas, também terem acesso a esses benefícios.

    ResponderExcluir
  24. Atualmente a facilidade de compra e parcelamento tem encorajado as pessoas de classes mais baixas a adquirirem bens de consumo que os ofereçam conforto e mais qualidade de vida.
    Outro grande fator que deu uma aquecida na economia brasileira e um grande aumento de consumo da classe C foi a redução do IPI, que estimulou as pessoas a comprarem bens com valores mais em conta e parcelamento facilitado.
    Isso nos mostra como o cenário mercadológico tem mudado e como o consumidor tem adiquirido novas característica e um perfil mais arrojado. Assim nos comunicadores temos que estar "ligados" nessas mudanças e comportamentos para sabermos como atingir nosso público quando planejamos uma campanha ou ação.


    Lorena Barros
    Publicidade, 7º/Noite

    ResponderExcluir
  25. A ascensão da classe C em relação a equipamentos tecnológicos deve-se a facilidade propiciada pelo governo no pagamento dessas novas babás para os filhos das mães de baixa renda, ou não.
    Acho essa inclusão digital positiva, mais por outro lado não muito criteriosa, pois antes certas tecnologias tinham acesso restrito de acordo com o valor para se ter e manter esses equipamentos.
    Para a publicidade, quanto mais gente ver melhor, só que com esse vasto público que não se consegue estereotipar, entra o dilema entre fazer para que todos vejam ou então segmentar tanto a ponto de atingir um público muito pequeno , que pode até não ser o desejado.
    Ao passo que boa parte da população está se atualizando tecnologicamente, fazendo cursos e extraído o melhor da internet, outras não conseguem nem ligar sequer um computador. Esse paradoxo é que complica a publicidade, pois não há uma uniformidade de conhecimento.
    Mais esses já são outros fatores a serem considerados na forma como a educação num país subdesenvolvido pode ter vários níveis dentro de um mesmo bairro por exemplo.
    Toda essa inclusão digital sejam por computadores, celulares e outros produtos, tem que ser analisadas como uma evolução forçada para acompanhar um mundo que não para de inovar e desenvolver produtos que facilitam nossa vida, mais que ao mesmo tempo nos deixa dependentes como se não conseguíssemos mais viver sem. Esse lado de toda essa popularização de tudo é o me incomoda um pouco e também preocupa, pois há famílias que não tem condições mínimas de moradia e alimentação, mas os filhos têm os melhores celulares, aparelhos eletrônicos, roupas e tênis caros. Isso vai também para um lado social, onde ter é mais importante que ser, então eles precisam mostrar que tem para serem aceitos nessa sociedade ditadora de produtos supérfluos cada vez mais inúteis que fazem com que você suba de classe social.
    De um modo geral, essa acessibilidade a novas tecnologias é positiva,mais sempre levando em conta, a longo prazo, as conseqüências do uso.


    Rayssa Nolasco de Andrade
    7° PP - noite

    ResponderExcluir
  26. É fato que a classe C está em acensão. Prova disso, são as condições criadas por diversos tipos de segmentos para atenderem às necessidades dessa classe. Uma pessoa que se encaixa na Classe C, precisa ter um planejamento mensal, para que não falte dinheiro para suprir suas necessidades básicas ao final do mês. Para isso, cada vez mais é perceptível a facildade de pagamentos, crediários, e empréstimos bancários. O que antigamente era um sonho para essa classe, como a compra de um automóvel por exemplo, hoje é totalmente possível. Tudo isso depende apenas de nós, publicitários, da maneira com que passamos essas mensagens de facildade de pagamento para noso público. O importante é fazê-los entender que uma marca pode fazer a diferença na durabilidade do seu produto, que o cliente pode parcelar a compra e não faltar dinheiro no fim do mês, ou seja, tudo depende do nosso poder de persuasão, e do modo que emitimos a mensagem. É necessário entender que a classe C já tem acesso à tecnologias, e pode ser visto como um consumidor totalmente ativo, que merece atenção e respeito, já que hoje é totalemente influente e que pode mudar o cenário da economia.

    Sara Carsalade
    7º PP - noite

    ResponderExcluir
  27. A questão do crescimento do poder de compra da classe C esta diretamente relacionada com o acesso de maior facilidade a itens de tecnologia e a internet, esse acesso a internet se tornou fator importante não somente a esta classe mas como a todo o publico interessado em compras e que realizam pesquisas de preços e produtos por este meio. É fato que a publicidade tem papel importante neste crescimento, mas o que me chama atenção é a facilidade que as lojas tem colocado a disposição dos clientes, e é neste ponto que a publicidade tem se tornado importante para este crescimento.

    Fernando Amorim
    7º PP - Noite

    ResponderExcluir
  28. me lembro bem de uma entrevista com Washington Olivetto, transmitida pela TV Cultura a muitos anos, onde ele dizia que "... tudo que se precisa para fazer boa publicidade atualmente, você aprende assistindo o Programa do Ratinho."

    A classe C/D tem um potencial de consumo muito grande. Não de compras pomposas, de produtos com alto valor agregado ou grande nível de exclusividade. Seu foco é em produtos com fácil acesso, com menor qualidade e consequentemente preços mais baratos.

    O baixo custo destes produtos é compensado pelo volume total de compras.

    A população de baixa renda busca conforto, busca ítens com maior tecnologia, busca tornar sua vida melhor. E o consumo de bens é indicativo de maior qualidade de vida.

    ResponderExcluir
  29. A classe C se consolida e atinge novos patamares tecnológico e educacionais. Busca crescimento educacional, profissional e pessoal. Se preocupa com as novas tendências do mercado, coisa que não acontecia a pouco tempo.

    Devemos perceber também que o brasileiro chega hoje mais jovem à classe C. Isso facilita muito o trabalho das empresas que pretendem afetar esse tipo de público, uma vez que o jovem tem muito mais facilidade de entender as novidades tecnológicas do mercado.

    A classe C traz com ela a necessidade das empresas observarem o rápido crescimento econômico apresentado e a partir disso, oferecer produtos que instiguem o consumidor a buscar crescimento profissional e monetário para alcança-lo.

    ResponderExcluir
  30. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  31. Felizmente, através das atuais facilidades de compra, a Classe C tem maior acesso à informação, à interatividade. Sua voz ganhou força, por finalmente participar efetivamente do mercado tanto tecnológico, quanto de informação.
    Mesmo com as desigualdades sociais, esse aumento no mercado da participação da Classe C, já é uma grande conquista.

    Bárbara Ribeiro 7º PP Noite

    ResponderExcluir
  32. Com o acesso a internet, a classe C ganhou ainda mais o poder de compra, o que é uma maravilha para o meio publicitario. Além da classe C fazer pesquisas de preços e ainda poder comprar um produto desejado por um preço mais em conta, as redes sociais crescem cada vez mais o que nós permitem poder propagar a informação para essas pessoas de um modo bem economico, afinal é mais barato
    anunciar na internet do que na TV.

    Paulo Fernando Nobre 7°PP-Noite

    ResponderExcluir
  33. Bom para começar, podemos observar que a maneira de comprar do consumidor vem se modificando independentemente de qual seja a classe social que se enquadre. A internet tem sido um dos principais meios de pesquisa e compra, a publicidade tem que se reinventar para ser eficaz nesse meio. O mercado esta pedindo uma "atualização" nesse sentido. A Web é um meio que já não pode ser considerada simplesmente como luxo. Hoje é uma necessidade de quem quer se manter no topo.

    Gabriela Delfim 7ºPP/Manha

    ResponderExcluir
  34. A classe C está em ascençao, migrando-se muitas vezes para classes mais altas. Tudo isso se deve ao fato de que as informaçoes chegam cada vez com mais frequencia e com mais eficacia aos consumidores finais. A facilidade de se obter informaçoes e de consumir produtos tambem é um fator importante para que as classes mais baixas da sociedade possam adquirir os produtos e bens que desejam com a facilidade e comodidade que hoje possuimos. Na nossa profissao temos que estar sempre atentos a essas novas manias de consumo para podermos adequar a propaganda tanto nos meios devidos quanto as classes que antes nao consumiam e que agora fazem parte da classe consumidora. A internet facilita muito o consumo e a integraçao das pessoas com a propaganda.



    Jordana de Matos Mori Barros
    7/ manha.
    Publicidade e propaganda.

    ResponderExcluir
  35. Com a internet tudo ficou mais facil pra todo mundo e nao ia ser diferente p classe C,com as formas de pagamentos que as lojas estão dando qualquer classe pode usufruir da intenet, e com ela tem seus beneficios,a classe c usa a tecnologia mais para progredir seu lado social e economico, busca por mais informaçoes do mundo, e claro usando a comodidade da rede que em apenas um clique podemos ter td informação, alem de poder fazer compras sem sair de casa.

    ResponderExcluir
  36. Eis aí a mudança dada pelo crescimento econômico. E, percebemos que as empresas não perderam a oportunidade de aproveitar a fatia deste bolo. Assim como a Kopenchagem que não deixou seus clientes de Classe A e B, mas não deixaram de aproveitar esta oportunidade de vender e ter clientes da classe C/D/E criando uma nova loja a "Brasil Cacau"; a Kibon e a Nestlé também não perderam tempo. Voltaram a vender picolés por meio de vendedores ambulantes batendo de porta em porta. Todos querem alcançar esta nova classe de consumo. E, como a empregada doméstica que aprendeu a utilizar a internet a seu favor, há muitos outros que assim fazem e, nós publicitários temos que estar a tentos a este novo tipo de consumo virtual, mais econômica, sem estresse de pegar lojas cheias, andar de loja em loja para comparar preço, etc. A comodidade que a compra virtual trás, e um preço mais baixo estimulam muitos a fazer deste mercado, seu mercado de consumo. Nós publicitários que temos que estar sempre atentos à estas novidades mercadológicas.

    Julienne Felício Pereira - 7º PP - Manhã

    ResponderExcluir
  37. Estamos vivendo uma revolução tecnológica, por isso não podemos limitar os consumidores as classes sociais, já que hoje todos podem fazer parte dessa inclusão digital através da internet que está disponivel a todos.
    Sendo assim as empresas e a publicidade voltaram seus olhares para a classe C, pois a maioria da população encontra-se nela, e com as facilidades oferecidas por esse meio a classe c forma um público potencial muito forte.
    Assim os publicitários devem procurar formas de atingir esse público,pois hoje a renda ou classe social não limita o consumo da população.


    Luiza Aguilar 7º PP Noite

    ResponderExcluir
  38. Seja classe C, D, independente da classe social que você pertence, todos tem acesso a internet. E àquelas pessoas mais velhas que não tiveram a oportunidade de conhecer, estão aprendendo a mexer e já estão colocando a fazer parte do modo em que vivem.
    Como citado na reportagem acima, os 5 perfis populares criados pela tecnologia, mostra o perfil de cada pessoa que oi influenciado de uma maneira diferente pela tecnologia.
    Isso é um modo dos publicitários apresentarem estratégias de marketing específico direcionado a cada perfil do consumidor. Fazer assim uma campanha mais direta, mais específica, dependendo do perfil de cada um. Direcionando principalmente ao seu público-alvo.

    ResponderExcluir
  39. Assim como a classe D, a classe C tem cada vez maior o seu poder de compra, a renda destas duas classes está aumentando. Eles deixam de se importar pouco com o que compram e se tornam mais exigentes, comparando marcas, preços e exigindo cada vez mais produtos de qualidade. Produtos que normalmente não eram comprados por essa classe, passaram a ser. Ao falar do consumo por essa classe, não deve se referir apenas a produtos como geladeira, fogão e etc. Setores que geralmente não atendiam muito esse público passaram a atender. O setor de turismo por exemplo, cresceu bastante com a classe C, impulsionado pelos preços baixos de passagens aéreas e pacotes de turismo a preços acessíveis a essa classe. Coisas que antigamente a Classe C não consumia passam a ser consumidos.

    Thiago Meira - 7 PP - Manha

    ResponderExcluir
  40. As classes C, D e E, estão cada vez mais familiarizadas com a internet e equipamentos digitais. A nova fase que estamos vivendo facilita em quase todas as atividades do dia-a-dia, como por exemplo, a busca de endereços, que antes era feita nos mapas dos catálogos telefônicos e hoje a busca é feita através do Google Maps na internet.

    A internet se tornou um meio quase que indispensável na vida dos brasileiros, até o governo já criou um programa de inclusão digital para as pessoas menos favorecida e que ainda não tem condições de adquirir um computador com internet.

    Marcília Gonçalves – PP/Noite

    ResponderExcluir
  41. Com os novos planos de estratégia das empresas, as classe como C , D e até mesmo a E, que antes consumião apenas produtos basicos. Estão ingressando no mundo da Internet, comprando produtos eletrônicos de ultima geração, geladeira e muitos outros.
    Isso se deve ao alto facilidade de se obter crédito, e outras facilidades que as lojas estão fazendo para facilitar a compra.

    Ramona Costa Silva - 7°PP/Noite
    Sem falar que muitos já estão utilizando até mesmo a internet para efetuar a compra e fazer pesquisas antes de irem para as lojas.

    ResponderExcluir
  42. Desculpa Claudio, desconsidere o comentário acima, o correto é este.
    Ramona Costa Silva – 7°PP/Noite

    Com os novos planos de estratégia das empresas, as classe como C , D e até mesmo a E, que antes consumião apenas produtos basicos. Estão ingressando no mundo da Internet, comprando produtos eletrônicos de ultima geração, geladeira e muitos outros.
    Isso se deve ao alto facilidade de se obter crédito, e outras facilidades que as lojas estão fazendo para finalizar a compra.
    Sem falar que muitos pessoas da Classe C por exemplo já estão utilizando a internet para efetuar a compra e fazer pesquisas antes de irem para as lojas.
    A tecnologia está a cada dia entrando na vida de classe mais baixas.

    ResponderExcluir
  43. O fato das formas de consumo terem se tornado mais acessíveis, aumentando a competitividade e o acessos a produtos mais tecnológicos gera uma reestruturação no perfil do consumidor da classe C. Com este perfil em desenvolvimento os fabricantes têm que adequar seus produtos às necessidades deste consumidor, deixando os produtos ainda mais atraentes.

    Esta mesma adequação ajuda a moldar o consumidor por favorecer a procura por informação, que por sua vez faz gera uma melhora de vida deste consumidor, criando um ciclo que beneficia tanto fabricante/anunciante quanto o consumidor.

    O perfil, que continua se desenvolvendo, faz do consumidor de classe C uma pessoa mais informada e torna sua vida cada vez mais prática.

    Bárbara Soares
    7PP/N

    ResponderExcluir
  44. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  45. O que essa reportagem tem a ver com a minha profissão?

    Bom, nos Publicitários temos o papel de fazer com que essa classe C que esta cada vez mais consumista se sinta mais envolvida e estimulada a comprar usando essas facilidades de compra como a internet.

    Aproveitar essa oportunidade que o mercado e a classe C esta proporcionando, investindo nesse público alvo e explorando todo esse potencial de compra que a classe C esta tendo com a queda dos preços e a facilidade de compra, aumentando assim o acesso a tecnologia em seus lares.

    E e o que tem sido feito nos ultimos anos, o investimento em publicidade na internet tem sido alto.
    A Publicidade tem explorado bastante essa popularização da tecnologia e os novos habitos que estão sendo criados apartir dela como mostra na reportagem.
    O que fica claro e que isso e uma otima oportunidade para nos publicitários alem ficar ligados no potencial da classe C ,seus hábitos e o seu poder de compra.

    ResponderExcluir