quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Classe D é a bola da vez


Por Sylvia de Sá - Mundo do Marketing - 16/03/2010

Depois de todas as atenções voltadas para a classe C, chega a hora da classe D. Com R$ 381 bilhões para gastar em 2010 e expectativa de que a massa de renda ultrapasse a da classe B ainda este ano, é na D que o mercado encontra novos consumidores. Com o perfil de consumo diferente de todas as outras classes sociais, já que não pode arriscar e precisa fazer o orçamento render, as famílias da base da pirâmide aparecem como um desafio para o mercado, mas podem ser uma grande oportunidade para as empresas que conseguirem entendê-las.
Com uma cesta de produtos ainda reduzida, se comparada ao consumo das outras classes, esses consumidores estão em ascensão. O número de categorias consumidas passou de 21, em 2002, para 34, em 2009, segundo o estudo Tendências da Maioria, realizado pelo Datafolha/Data Popular e obtida com exclusividade pelo Mundo do Marketing. Entre os produtos que entraram para a lista de compras recentemente estão suco pronto, massa instantânea, detergente líquido, molho de tomate, creme de cabelo e amaciante de roupa. Esse número tende a crescer e não se limita ao consumo de massa.
Em 2010, estes consumidores pretendem adquirir computador, geladeira, moto, carro e viagens de avião. O segredo para vender para eles está em desvendar as diferenças e características desta classe, que muitas vezes se assemelham às da classe C. Saem na frente as marcas que apoiarem este consumidor no momento em que ele ingressa no mercado de consumo.
“O consumidor de classe D está sendo apresentado agora ao universo das marcas. Aquelas que souberem ensiná-lo que marca não é apenas status, mas que funciona como avalista de qualidade de um produto, tendem a ter a fidelidade desse público”, aponta Renato Meirelles, Sócio-diretor do Data Popular, em entrevista ao Mundo do Marketing.
Venda deve ser assistida
Marcas que usem embalagem ou material de comunicação para orientar estes consumidores estão no caminho certo. A venda deve ser assistida, o que faz com que o papel do autoserviço seja menor na classe D, que prefere comprar em feira livre, no varejo tradicional ou com um vendedor porta a porta, para que receba explicações sobre a melhor maneira de usar o produto.
As categorias que pretendem conquistar o consumidor da base da pirâmide devem investir em embalagens e quantidades de menor desembolso, que deixem o consumidor seguro para arriscar e experimentar novos produtos. Já aquelas que estão consolidadas e são de presença contínua no dia a dia podem apostar em embalagens tamanho família, que tendem a ser mais econômicas.
Para as marcas de consumo de massa, a classe D é o segmento em que as chances de faturamento são maiores. “É um mercado muito grande, o que para os bens de consumo de massa é fundamental. Tem muito mais gente na classe D do que na A e na B”, conta Meirelles (foto). Atualmente, são 71,3 milhões de pessoas que recebem até três salários mínimos. Até novembro de 2009, 30% da classe D havia migrado para a C, enquanto 55% mantiveram a mesma posição e apenas 15% caiu para a E. “O que a classe C for crescer virá da classe D, eles são os emergentes dos emergentes”, explica Meirelles.
Mulheres respondem por 43% do orçamento
Programas como o Bolsa Família são algum dos responsáveis por impulsionar o consumo entre essas famílias. Outro fator importante é o aumento do salário mínimo. O último reajuste, por exemplo, colocou R$ 27 bilhões na economia. Serviços educacionais, produtos de higiene e beleza e itens de informática são interesses que se destacam por serem vistos como um meio para aumentar o orçamento familiar.
De acordo com a pesquisa do Datafolha/ Data Popular, 25% dos entrevistados pretendem matricular seus filhos em escolas particulares. Atualmente, das 5,5 milhões de crianças de até 14 anos que estudam em colégios privados, 19,1% pertencem à classe D. Já o computador aparece como um dos principais bens a serem consumidos este ano, com 33% das intenções de compras.
A beleza também é vista como um investimento para se destacar no mercado de trabalho.
Isso inclui as mulheres, que já chefiam 32% das famílias de classe D e respondem por 43% do total de rendimento. “A beleza é importante, pois elas tendem a ganhar mais dinheiro quando se apresentam melhor. A busca pela vaidade está relacionada ao resgate da autoestima, mas também é um investimento para se dar melhor no mercado de trabalho”, explica o Sócio-diretor do Data Popular.
Investir na classe D pensando no futuro
Na hora de se comunicar com este consumidor, a televisão ainda é o principal canal, mas não se pode negar o crescimento da penetração da internet neste grupo. “Este consumidor ainda é medroso para a compra on-line e o cartão de crédito é algo recente, mas a internet como fonte de pesquisa de preço já é um fato”, acredita Meirelles.
Com a consolidação da classe C e a ascensão da D, encontrar a forma ideal para se comunicar com este consumidor é o caminho para o sucesso das marcas que toparem o desafio. “Quem foi pioneiro olhando para a classe C olhe para a classe D. Eles são mais jovens e farão parte do mercado consumidor por mais tempo. Investir no futuro é investir na classe D, seja porque ela migrará para a classe C, ou porque tem mais a conquistar, já que a cesta de produtos é menor. As marcas que entenderem essa oportunidade têm grande chance de serem líderes de mercado no futuro”, aconselha do Sócio-diretor do Data Popular.
Prezadas e Prezados, depois de falarmos da classe C no último post, agora é a vez da classe D. O que distingue? No que é igual? O que surpreendeu vocês?

22 comentários:

  1. As classes C e D tem algumas referências que ainda são parecidas. Por exemplo a necessidade de sempre procurar uma melhora de posição, de dar o melhor para os filhos. Mas são diferentes porque acredito que a Classe C se arrisca mais. Alguns não tem medo de usar o cartão de crédito, cheque especial e empréstimos para comprar aquilo que precisam. Já a classe D ainda fica um pouco insegura pois tem medo de perder aquela que muitas vezes é a sua única fonte de renda. Me surpreendeu saber as coisas que para eles estão entrando em sua cesta de consumo agora como suco de caixinha, massa de tomate, creme para cabelos, coisas que nós achamos tão normais e nem damos importância, para algumas pessoas ainda é luxo.
    Gosto de ser otimista e espero que o Brasil um dia ainda possa superar essas diferenças. Que ele possa ser o país de todos.

    ResponderExcluir
  2. Classes C e D são muito semelhantes , para eu o que as diferenciam são as formas de pensar. Onde a classe D se preocupa apenas ou prioritariamente com o rendimento, a classe C começa a levar a marca como diferencial. Este fator se deve principalmente a dependência de programas assistencialistas do governo, que por outro lado fomenta a economia da classe D. fator este que de certo modo me surpreendeu e quase me fez aceitar este "mundo" de auxílios oferecidos pelo governo federal, mas ainda não sou a favor. Por outro lado assim como a classe C este publico tem grandes perspectivas de crescimento econômico e por consequência de consumo que ate então se faz reprimido em muitos segmentos.

    País de todos Grazi? Lamento informar mas isso não é realidade nem na comunicação do governo. E para isso acontecer vai demorar e muito. Sejamos realistas parafraseando Renato Russo "nesse país com sua corja de assassinos, covardes estupradores e ladroes" nunca vai acontecer pois é economicamente inviável (para o se poder e influencia) ter uma população ativa.

    ResponderExcluir
  3. Ambas as classes estão em assenção e resguardada as proporções tem tido o seu poder de compra aumentados. Entendo que distingue nos objetivos mais próximos, os produtos que cada classe almeja de maniera mais imediata são diferentes devido ao contexto de cada uma, a classe D vai deseja o que a C deseja mas em outra escala de prioridade. Acho importante buscar entender e respeitar essa classe, sabendo comunicar na linguagem deles, isso fará toda deferença, foco neles e mostrando que a marca foca neles. Não fico surpreendida com os avanços pois já ouvi falar sobre isso e sobre políticas pra que isso aconteça, óbvio, para o mercado ser aquecido, ninguém ta preocupado com a classe de verdade e sim com os lucros q ela vai proporcionar..

    ResponderExcluir
  4. Thiago Augusto - PP Noite25 de outubro de 2011 08:47

    As classes C e D são classes que se encontram em crescimento em consumo, apesar de não terem condições de consumirem certos itens que consideramos básicos, porém ambas têm o mesmo objetivo, subir de de nível. E é por causa desta necessidade de busca por melhores condições que empresas devem trabalhar o conceito de suas marcas também com este público, para quando este tiver condições optar pela marca em questão.

    ResponderExcluir
  5. Ao meu ver o que distingue a classe C da D é que com a consolidação da classe C e a ascensão da D, encontrar a forma ideal para se comunicar com este consumidor é o caminho para o sucesso das marcas que toparem o desafio. No que é igual e o que surpreendeu é que quem foi pioneiro olhando para a classe C olhe para a classe D. Eles são mais jovens e farão parte do mercado consumidor por mais tempo. Investir no futuro é investir na classe D, seja porque ela migrará para a classe C, ou porque tem mais a conquistar, já que a cesta de produtos é menor.
    Patrícia Brandão – P.P NOITE

    ResponderExcluir
  6. A Classe D se distingue da classe C a partir da forma e organização de consumo, considerando que o perfil seja diferenciado, é preciso fazer orçamentos para os gastos que na sua maioria são voltados para a família, e não tanto como a classe C que consome impulsivamente a moda, a beleza entre outros quesitos.
    Tendo como expectativa de vida consumir mais, a classe D dispoe de varios outros beneficios que eles , antes nem se passava pela cabeça deles consumir produtos como computador, escolas privadas e agora as condiçoes melhoraram , acredito que as chances de se tornarem C esta muito próximo pois as marcas tem apoiado bastante todas as classes e não direcionando somente para um publico, essa é a sacada e a linguagem correta para os consumidores.
    Sabendo do numero alto de pessoas que se concentram na classe D as marcas precisam saber o que falar e como se posicionar diante desta classe, a internet é uma ferramenta de grande utilidade para as marcas e em paralelo a isso o computador também tem tido grande avanço na sua procura, investimento este que ajuda também a colocar a marca em destaque diante das pessoas.
    As Marcas por estarem genelarizando sua comunicação tem igualado as classes, e com isso o consumidor esta aprendendo a pesquisar mais e colocar o medo a seu favor, a desconfiança é algo favorável para eles e as marcas estão percebendo isso facilmente.

    Camila Gonçalves

    ResponderExcluir
  7. As classes C e D são realmente muito parecidas, o que as diferenciam é a forma de pensar e de arriscar. A classe C por mais que sua renda não seja muito boa, eles tendem a arriscar mais, fazem compras via internet, com cartão de credito e ate arriscam em algum tipo de empréstimos. Já a classe D, por não ter muita alternativa, eles tendem a ter medo de perder o pouco que tem, por esse tendem motivo pesquisar mais e um dos requisitos mais forte é o valor dos produtos, quanto que na classe C eles começam a comprar por marca e status.
    O que mais me intrigou no texto, foi saber que pra nos é de uso banal e não damos importância como suco pronto, massa instantânea, detergente líquido, molho de tomate, creme de cabelo e amaciante de roupa entraram recentemente na lista de cesta deles. Em contra partida, fico feliz em saber que a classe D esta investindo mais nos estudos.
    Conforme o texto relata o numero de pessoas com classe D é maior que nas classes A e B e eles tendem a conquistam em pouco tempo a classe C. Um grande desafio para as empresas (quanto para as novas empresas quanto para as mais consolidadas) é investir em produtos com preços menores, uma vez que a característica desta classe é o medo de arriscar e em experimentar algo novo.

    Queria muito assim como a Grazi, que o Brasil superasse todas as diferenças. Mas por outro lado concordo plenamente com o Luis ao dizer que é simplesmente impossível. Triste e lamentável essa realidade, uns com muito e outros com quase nada.

    ResponderExcluir
  8. André Rocha - PP- Noite

    Classe C e D estão caminhando juntas. Acredito que a forma de comunicação, no geral, será a mesma para ambas.

    Como todos sabem, essas classes predominam no Brasil. Os criativos terão que saber bem como se posicionar perante essas duas classes. A massa é exigente!

    ResponderExcluir
  9. Hoje a classe C não faz tantos orçamentos na ponta da caneta, já a classe D ainda precisa disso mesmo os dados mostrando que existe verba para gastar. Como foi falado, algumas necessidades ainda são mais importantes, como segurança de uma casa própria ou um carro.

    Mas para o mercado é mais dinheiro a ser gasto que faz com que os clientes tenham que investir mais e como consequência din din pra gente.

    Só não podemos esquecer das classes A e B, porque só se fala de C e D.

    Big Abraxx, flw!

    ResponderExcluir
  10. Danielle Rodrigues - Una PP Noite

    Hoje as classes C e D estão caminhando juntas com relação a ter o seu espaço no mercado, direcionando para seu conforto e bem estar da sua família. O que difere a classe C da classe D, é que a classe C ainda pode comprar sem medo de ser feliz, e a classe D tem mais receio, pensa um pouco mais, faz mais contas do que a classe C. Não que a classe C não pense no que pode gastar, mais acaba sendo menos. O que iguala as classes são a vontade e força que estão ganhando no mercado, o que movimenta a economia do pais. A publicidade por tras disso corre para atender a tudo e a todos, não podendo esquecer das demais classes que também compram e também querem ver promoções. As empresas têm na mão a venda, e têm que fazer isso de maneira que continue crescendo esse número de pessoas com renda mais baixa, satisfazendo-as e ajudando o mercado.

    ResponderExcluir
  11. Marcos Vinícius da Fonseca Barbosa:

    Como no texto mesmo diz, a classe D vem se tornando também a “bola da vez”. Com esse crescimento as empresas a cada dia terá que está antenada, nesse perfil de cliente, pois como consta no texto: “perfil de consumo diferente de todas as outras classes sociais.” Estudos terão que ser feitos, não só no mercado em si, mas com os próprios consumidores (D), verificar o que os atende, mas não somente nas necessidades, mas sim financeiramente também. Como diz Renato Meirelles: “O consumidor de classe D está sendo apresentado agora ao universo das marcas. Aquelas que souberem ensiná-lo que marca não é apenas status, mas que funciona como avalista de qualidade de um produto, tendem a ter a fidelidade desse público.” E a empresa que conseguir essa fidelidade, terá bastante sucesso. E acrescento também, que nos publicitários temos que ficar ligado nessas classes, que a cada dia vem se destacando.

    ResponderExcluir
  12. O poder de consumo da classe C já vem a um tempo sendo discutida, mas me surpreendeu saber do potencial da classe D também. So o que diferencia as duas é a forma de acertar o sua PA. A regressão no progresso tecnológico é uma das estratégias que podem ser usada. Ao invés de vendas pela Internet ou aplicativos de iphone, as marcas precisam investir mais em PDV atraindo os consumidores. Facilitar o pagamento possibilitando compra em diversas parcelas e descontos também acaba por estimulá-los ao consumo.
    O tão criticado programa "Bolsa família" do governo Lula deu um enorme poder de consumo tanto para classe C e quanto para classe D, o que não era visto. Como mostram as pesquisas a tendência é a classe D subir para C ou ficar estagnado. Ainda têm muito o que consumir.

    ResponderExcluir
  13. Ao contrário da classe C, a classe D requer produtos com qualidade e preços bem mais acessíveis.
    Por estar em um período de crescimento, tem medo do consumo excessivo e das dívidas com juros.
    São mais do tipo consumir apenas o necessário, e consumir o diferente em apenas épocas especiais.

    O nível de consumo dessa classe pode estar crescendo a fatores como apoio governamental e abertura de créditos, assim como na classe C.

    As marcas tendem a se adaptar à essa classe, caso queiram atingí-la.
    Mostrar que nem preço nem tampouco embalagem influenciam na qualidade do produto.

    ResponderExcluir
  14. Adriane Sequeira Rodrigues - PP Noite

    O que ainda é visivel e diferencia as classe C e D é o fato de que a C já consegue usufruir da compra online sem receio de como irá pagar, pois, ela pode contar com o cartão de crédito e a facilidade do parcelamento. Já a classe D ainda não tem a confiança de comprar algo pela internet e prefere juntar do que parcelar qualquer coisa para se ter o controle de suas finanças. O que é igual nas duas é o fato de se ter acesso a informação online e de que elas teem a vontade e o esforço para adquirir o que precisa e o que deseja, mesmo que isso leve algum tempo. O que me surpriendeu foi o fato de se pensar que em pouco tempo muitos que hoje são da classe D podem estar a um passo de fazerem parte da classe C pois é uma classe que corre atrás de crescer cada vez mais. E tem também o número significativo como esse de 19,1% de 5,5 milhões de crianças pertencentes a classe D estudando em escolas particulares. É um avanço significativo. Cada vez mais elas estão se igualando às demais.

    ResponderExcluir
  15. As classes C e D são muito parecidas, as duas querem experimentar mais, estão gastando mais e conquistando seus bens cada dia mais. Eles têm um poder de consumo gigante nas mãos e as duas vem crescendo em ritmos iguais. O que as diferenciam é que a classe C tem mais coragem para comprar, ela não fica fazendo as contas na ponta do lápis para saber seu limite e também não se intimidam em comprar ela internet. Já a classe D, ainda não se acostumou com compras on line e fazem todos os seus orçamentos nas pontas do lápis. Outra diferença, é que a classe D procura embalagens com manual de como usar o produtos, passo a passo e preferem os produtos promocionais com embalagens maiores, pois é mais econômico.

    ResponderExcluir
  16. Bruna Carolina-PP-noite
    Podemos fazer uma breve comparação, pois tanto a classe C e a D estão crescendo, me surpreendi pois, creio que estas classes estão migrando uma para a outra e o mais interessante é que muito rápido, fazendo que o mundo publicitário que já buscava novos desafios devido ao crescimento da classe C, agora com a D deverão ser muito mais antenados e bem informados para atingir este público diversificado.

    ResponderExcluir
  17. As classes C e D são parecidas pois o perfil de consumidor e quase o mesmo.São aqueles consumidores que estão se incluindo no mercado agora pelo alto numero de incentivos do governo como bolsa-escola entre outros.O diferencial e que a classe C esta mais preparada para o consumo e tem mais noção em interesses com essas novas aquisições.Já classe D ainda esta com certo de receio em investimentos.O que se nota e que a ascensão destas classes as empresas precisão estar de olhos nas oportunidades e estudar formas de atrair este novo publico.

    Com este crescimento econômico a inclusão destas classes pode se notar nas redes sociais.Como foi analisando por especialistas nesta reportagem http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/07/110703_analise_orkut_facebook_cc.shtml....


    Thiago Junio P.P noite

    ResponderExcluir
  18. A distinção da classe C para classe D é que a claase C possui mais confiança para se arriscar realizando empréstimos se preciso, já confiam mais nas compras on-line, em suas compras já não existe somente o básico entram também produtos supérfluos e se já se levam pos status e marcas mais reconhecidas no mercado. A classe D ainda se limita em fazer muitas pesquisas de preço e ainda optam por produtos mais em conta, ainda não confiam muito em compras on-line e o cartão de crédito ainda é uma novidade por isso ainda seguem sem extrapolar em seus orçamentos mensais. Mais acredito que a comunicação seja quase a mesma já se trata de uma classe em ascenção que será a nova classe C do futuro, é uma classe que esta sendo apresentada ao universo das marcas e procuram por marcas que não sejam somente status e que façam diferença em seu dia-a-dia.
    O que mais me surpreendeu é saber que o Bolsa Família é um dos responsáveis por impulsionar o consumo entre famílias da classe D e C o que não é muito divulgado.

    ResponderExcluir
  19. Classe C e D são bem próximas. A D porém, como bem descreve o texto, são tidas como uma espécie de "emergente dos emergentes"; fato que me surpreendeu. Pois apesar de saber sobre o seu crescimento, não mensurava o quão forte é o seu potencial de cosumo diante do mercado. Embor ambas sejam semelhantes no que diz repeito a fazerem parte de um uma nova fatia de mercado consumidor, a classe D ainda possui uma procupaçao elevada com os rendimentos e guia seu consumo por ele, buscando na maioria das vezes por compras que não tragam riscos a segurança da renda familiar; já a classe C, passa cada vez mais a enxergar as marcas como diferencial e buscam satisfação e realização pessoal na compra de produtos, bens e serviços que antes eram marginalizados da sua realidade.

    ResponderExcluir
  20. Tamires Mol Fernandes - PP NOITE

    Por ser a maior parte da população, a classe C e D juntas tem o consumo maior que a classe B. e os produtos em potencial de compra, são em exemplo viajens de avião, que antes se restringia somente ate a classe B. Entre produtos de consumo, como cita no texto, que são produtos comuns para nós, como massa de tomate, hoje fazem parte da despensa do mês dessas familias. Devemos analisar o poder de consumo e o que eles almejam consumir, para que estas classes em potencial de consumo possam cada vez mais movimentar a economia, gerando mais renda e consequentemente elevar a classe social dessas pessoas, mas por enquanto eles buscam a estabilidade de consumo e ainda tem receio de dívidas.

    ResponderExcluir
  21. A classe C e D estão andando lado a lado, pois ambas buscam crescer e consumir igual as pessoas de classes A e B, com essa vontade de consumir eles estão movimentando a economia brasileira, porem com cautela para não prejudicar a segurança da família. Cada vez mais eles buscam estar satisfeitos e realizados em suas compras e com o uso de serviços que consumia pouco, mas que hoje já faz parte do seu consumo.

    ResponderExcluir
  22. As classes C e D, na minha opinião, são bem próximas quando se fala em condição financeira. Se diferenciando apenas no comportamento de consumo, que na minha opinião, ainda é maior pela classe C.
    Com a melhora na qualidade de vida e o aumento no consumo, as empresas têm investido nessa classe, que busca conforto e bem estar, facilitando condições de pagamento. Produtos antes apenas atingíveis à classe A/B, hoje são alcançáveis para as classes C/D. A publicidade tem buscado atingir tais classes devido ao crescimento na qualidade de vida, e, futuramente, os mesmos produtos, consumo e serviços conquistados pelas classes mais altas, chegarão ao alcance das classes C e D.

    Ana Cláudia Vasconcelos - pp noite

    ResponderExcluir